Fases da Adolescência: O “SILÊNCIO”

fases da adolescência

Os pais desejam falar com os seus filhos adolescentes e saber o que pensam, sentem e fazem, mas os jovens não falam…Isto é normal?

Claramente, esta é uma das fases da adolescência, o silêncio. A nova forma de comunicar-se é o silêncio ou, no melhor dos casos, as frases curtas. Alguns livram-se de cair nesta etapa, mas são muito poucos. Por isso, é normal encontrar tantos pais desesperados com a indolência dos seus filhos. Tomar consciência do que se trata e de por que acontece é uma boa ajuda, pois assim é possível aprender o lado positivo, que neste caso, não é pequeno.

Durante a infância as crianças estão completamente viradas para o mundo exterior, comunicam e recebem ordens sem problemas. Mas na puberdade, e fazendo isso parte de um processo absolutamente normal, começam a ter uma maior preocupação por outros aspectos de si mesmos. No início, isto toma a forma de introversão passiva, para ir progressivamente tornando-se ativa, e caracteriza-se por:

  1. O jovem desvia o interesse do mundo exterior, para se concentrar cada vez mais em si próprio.
  2. Procura diferenciar-se de todo o resto e, por esse motivo, rompe com a autoridade, tanto dos pais como dos professores. Procura autonomia, o que por vezes implica um período de crítica, e lhe faz perder, por exemplo, o interesse em participar nas atividades familiares.
  3. Na parte final do conhecimento, cresce a fantasia, através da qual compensa as inseguranças que experimenta no mundo real. Por isso é tão difícil falar com ele: está no seu próprio mundo.

A conseqüência disso: um sujeito isolado que se torna calado e completamente egocêntrico. O objetivo: desligar-se de tudo o que é exterior para melhor conhecer a sua interioridade e se encontrar com a sua intimidade. Precisam de um certo isolamento para pensarem e refletirem acerca de quem são, das suas novas experiências e formas de sentir o mundo.

Saiba como perguntar aos seus filhos: “Então como foi a escola hoje?”

Educar os filhos em valores: um valor para cada mês do ano

O que é mais normal com esta atitude é que os pais percam a paciência. Mas é importante que eles tomem consciência de que se trata de um processo de conhecimento. Assim, tendo em conta certos pontos, e sabendo quais são as consequências positivas, será mais fácil compreender os anos de introversão.

No mundo atual, as pessoas tornaram-se mais intolerantes perante os silêncios individuais. Vivemos num ambiente que é extremamente extrovertido: tudo se fala, tudo se diz e não se respeitam os momentos de silêncio, que são fundamentais para o desenvolvimento da intimidade. Isto não significa que o adolescente corte a comunicação verbal para sempre e não tenha mais nada para contar: também há momentos em que se envolvem, e isto é normal, mas nesta fase são menos freqüentes.

E como o silêncio é o estado normal, um segundo ponto é que: o estar calado é também uma forma de comunicação. Dão-se informações através das palavras, mas também através do silêncio, por isso, os adolescentes estão dizendo alguma coisa. Nós, os pais, devemos desenvolver a habilidade de decifrar o que está acontecendo.

O silêncio normal nesta idade é o explicado anteriormente, quer dizer, que ele tem a ver com a procura da intimidade, é uma reflexão que se exprime com a tendência ao isolamento. Este silêncio, porém, é diferente do silêncio que é acompanhado de hostilidade, ou de problemas de relacionamento com os pais, ou de baixo rendimento escolar. Nestes casos o silêncio tem outro significado: é um problema que tem de ser solucionado. Quanto mais áreas este silêncio comprometa, mais preocupante é.

Se o silêncio é excessivo, provocando uma ruptura total com os outros, isso já é negativo e precisa ser avaliado.

Por mais positivo que seja, para os pais tanto isolamento pode assustar. Para não caírem em desespero e saberem como agir, algumas recomendações chave:

Conhecer o processo

A primeira das chaves é tomar consciência do processo que seu filho está vivendo. Ele está num momento de ajustes, está desconcertado, buscando autonomia, está lento, e ter isso em conta é fundamental para não ser violento com ele e, pelo contrário, encher-se de paciência. Além disso, é importante compreender que a atividade exterior não é a única alternativa; a atividade interior também é fundamental.

Estar e acompanhar

Como ação concreta, o mais recomendado é a companhia. Acompanhar e estar aí, junto deles, é a melhor forma de comunicação. Há que evitar cair na tentação de que: como não me fala deixo-o sozinho É um estar presente que não implica nem falar nem brigar, mas apenas garantir que desses pensamentos que deslumbram o adolescente se obtenham bons resultados. Se ele não fala, fale com ele, conte sobre seu dia, sobre sua juventude, sobre suas conquistas, em saia do lugar de queixar e exigir o tempo todo.

Saber esperar

A paciência vale ouro, porque para esses resultados há que esperar um pouco, respeitando o silêncio, evitando zangar-se por não haver resposta. Tem que se ser delicado na relação com os filhos e não os enchê-los com perguntas e com temas sem sentido. Isso não vai resultar. O melhor é criar situações de silêncio e de contato pessoal e direto, marcando sempre o limite do que é correto e permitido. Desta maneira, uma criança que sente que a respeitam, finalmente, no fim da sua adolescência, será, sem dúvida, capaz de exprimir os  seus pensamentos e combinar muito bem as duas perspectivas humanas: a intimidade e a capacidade de agrupar-se com os outros.

Quando alarmar-se e procurar uma ajuda profissional

fases da adolescência
  • Quando o silêncio é acompanhado de agressividade;
  • Quando a má relação com os pais e professores demonstrar outras causas que não simplesmente a adolescência;
  • Quando existam suspeitas fundadas de que o filho não anda por bons caminhos;
  • Quando existam quedas do rendimento escolar;
  • Quando perdem ou ganham apetite demasiadamente;
  • Quando o choro é constante;
  • Quando relatam desejo de morrer.

Como ter uma rotina organizada e mais leve

Como ajudar uma criança com dependência em celular ou tablet

Não abrir mão dos limites

Se a recomendação é respeitar o silêncio dos adolescentes e permitir-lhes que desenvolvam um mundo próprio, para tudo há limites, e estes devem ser devidamente estabelecidos, por exemplo:

  • Está bem que ouçam a sua música e que adorem estar enfiados nos fones e celulares, mas isto não deve ser feito à hora da refeição e atividades com a família.
  • Que não se preocupem com os irmãos nas 24 horas do dia, é normal e aceitável, mas se por uma razão especial isso for necessário, devem estar dispostos a encarregarem-se deles.
  • Que tenham e cumpram alguma atividade com o cuidado doméstico, ainda que seja apenas com seu quarto.
  • É normal que não lhe agrade ensinar matemática ao irmão mais novo, mas que o faça sem problemas ao amigo. Não é preocupante. O mesmo se passa com as obras sociais: gosta de visitar asilos, mas não se dá conta de que em casa alguém está doente. Isso é normal e está dentro dos limites, mas também é superável e na maioria das vezes precisa ser solicitado à ele a sua ajuda.

“Os pais precisam parar de ter medo de estabelecer limites. Eles têm dificuldade em entender a diferença entre autoridade e autoritarismo. A frustração ao se ouvir um ‘não’ é estruturante para o jovem” (Hugo Monteiro Ferreira, neuropsicólogo).

A vontade de acertar não é garantia de sucesso. Mas os pais têm de assumir o papel de guardiões de seus filhos e estabelecer uma relação de verdade e  confiança com eles.

fases da adolescência

Eu sei que é desafiador, às vezes frustrante, e aparentemente traz pouca recompensa, mas se você der tempo ao tempo, verá como as coisas vão melhorar. Como uma semente leva tempo para crescer e atingir seu pleno status de planta, também seu filho precisa da mesma atenção e cuidado para atingir seu potencial. Esteja lá para ele – a adolescência não dura para sempre.

Encontrei mais conteúdos aqui!

Posts Relacionados

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais