Estilos Parentais e a Disciplina Positiva: entenda o que é

Estilos Parentais
Estilos Parentais

Os Estilos Parentais: vamos entender

Sabemos que quando o assunto é a educação dos filhos, famílias divergem no modo de educar, cada uma a seu modo, tentando fazer o melhor pela educação dos filhos.

Podemos então dizer que temos três estilos parentais: o autoritarismo, a permissividade e a Disciplina Positiva. Para conhecermos a Disciplina Positiva, precisamos antes compreender essas duas outras formas de educar, que são o autoritarismo e a permissividade.

O que é autoritarismo?

O autoritarismo é aquela forma de educar, em que os pais são mais firmes do que gentis. A firmeza no trato com a criança e o adolescente é o seu marco principal. Castigo, ordem, obediência, gritos, violência são algumas das características desse tipo de educação. Em regra, a criança não tem voz. Não importa a motivação para cessar o mau comportamento, conquanto que ele cesse.

O que é permissividade?

A permissividade, por sua vez, é aquela forma de educar em que os pais são predominantemente gentis, em detrimento da firmeza. É a gentileza excessiva conduz a relação entre pais e filhos. Nesse estilo parental os pais cedem demais, fazem trocas, desistem de tentar. Afinal, impor limites dá trabalho.

O que é a Disciplina Positiva?

A Disciplina Positiva pode ser sintetizada como a forma de educar, ou seja, o estilo parental, em que os pais buscam o equilíbrio entre o autoritarismo e a permissividade.

Diferente do que muitos pensam, a Disciplina Positiva não se confunde com a permissividade. Não é porque a gentileza está presente, que ela deva assim ser entendida.

O que a Disciplina Positiva busca é o caminho do meio, o caminho do equilíbrio, no qual as condutas parentais sejam permeadas sempre pela gentileza E a firmeza. Assim, os pais devem desenvolver em cada interação com os filhos, a gentileza E a firmeza.  O desafio, portanto, é ser gentil sem ser permissivo e ser firme sem ser autoritário. Eu sei, não é fácil, mas é possível! O que aprendemos na nossa infância, especialmente até os 6 anos, servirá como base para toda a nossa vida e a forma que nos relacionaremos com as pessoas.

Quais os efeitos em longo prazo da educação que recebemos?

Pare um pouco e pense em você criança diante da sua mãe ou do seu pai após você ter feito algo que eles não gostaram (pode ser entornar um copo de leite, brigar com o irmão, deixar comida no prato, não querer tomar banho, …). Qual sentimento da sua criança vem à tona? A) compreensão, conexão, amor (…); ou B) medo, raiva, tristeza, inadequação (…)? A maioria de nós experimentou sentimentos do grupo B na infância, e que hoje se revelam na nossa forma de sentir e agir.

Se temos medo hoje quando um chefe chama nossa atenção, se reprimimos choro por vergonha, se não aceitamos ouvir o choro dos nossos filhos, tudo isso é reflexo da educação que recebemos na nossa infância.

Com a Disciplina Positiva, a ideia é criar mais conexão com os nossos filhos, tratando-os com respeito e amor. E como seria isso na prática então? É o que veremos a seguir, em uma visão mais ampla, apesar de geral, de como podemos aplicar a Disciplina Positiva na prática, em contrapartida aos outros dois estilos parentais.

Disciplina Positiva e Conexão

Estilos Parentais
Estilos Parentais

Podemos aumentar a conexão com os nossos filhos a partir do conhecimento do que a Disciplina Positiva nos propõe.

A Disciplina Positiva vem para nos ensinar a sermos gentis E firmes ao mesmo tempo. Mas como assim?

Observe que toda vez que nos referimos à gentileza E firmeza aqui no texto, utilizamos o conectivo “E” maiúsculo, e isso tem o propósito de chamar a nossa atenção para esse conectivo. Então, anota essa dica! Vamos ao clássico exemplo da hora do banho. Na maioria das casas, a hora do banho é desafiadora, porque as crianças inventam mil desculpas para não irem para o banho, procrastinam ao máximo. Já consigo ouvir esse diálogo: FILHA: – “Mãeeee, não quero tomar banho agora, estou brincando, não está vendo? Mais tarde eu tomo.” MÃE AUTORITÁRIA: – “Mariaaa, você está brincando, MAS é hora de tomar banho. Já pro banho agora ou vai ficar de castigo!” ou MÃE PERMISSIVA: – “Mariiia, é hora do banho, MAS se não tomar também é você que vai ficar suja. Não quer tomar, não toma!” Clássico, não é mesmo?

Porém, talvez você nunca tenha pensado que o “MAS” que usamos tanto na nossa fala com as crianças, traz sentido de contrariedade. Não dá mesmo vontade de fazer nada. Vamos começar a trocar o “MAS” por “E”. Vejamos:

– “Mãeee, não quero tomar banho agora, estou brincando. Mais tarde eu tomo.” – “Filha, eu vejo que você está brincando (conexão) E é hora do banho (indica a ação com firmeza). Você vai levar qual brinquedo para o banho?”

A ideia do diálogo mudou com a troca do conectivo e também pela escolha das palavras e conexão estabelecida com seu filho. A hora do banho pode ser uma hora divertida. Por que então não levar um brinquedo (possível de molhar, claro) para o banho?!

Essa é apenas uma das ferramentas práticas que a Disciplina Positiva nos propõe. São muitas as formas que temos para estabelecer conexão, com gentileza e firmeza ao mesmo tempo. A Disciplina Positiva quando compreendida em sua essência, promove verdadeiras mudanças nos relacionamentos.

E todo mês vamos trazer ferramentas práticas para ajudar você a colocar a Disciplina Positiva em prática na sua casa, com seus filhos, e observar a relação de vocês se transformar, gerando mais conexão e cooperação. E vamos juntos por uma educação mais respeitosa!

Posts Relacionados
Comente nossa postagem!

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais