Guarda x Convivência: Conceitos e funções

guarda

Dificilmente as pessoas sabem diferenciar guarda e regime de convivência. Isso motivou a escrita deste artigo, que busca esclarecer os conceitos e funções da guarda e da convivência.

De início, destaco o termo “poder familiar”, que diz respeito aos direitos e deveres dos pais sobre os filhos, sempre com o objetivo de garantir o melhor interesse do menor.

 Diante do divórcio, surge o sistema de guarda, que define a forma de exercício do poder familiar. Todavia, a Lei define que a guarda dos filhos é dever de ambos os pais, independente da sua situação conjugal. Assim, o poder familiar deve ser plenamente exercido pelos dois, por meio do instituto da guarda, seja ela compartilhada ou unilateral.

A Convenção dos Direitos da Criança (decreto n° 99.710/1990) no artigo 9 e a Constituição Federal, no artigo 227, tratam do direito de visitas e de convivência, assegurando o direito da criança de conviver com ambos os genitores e ainda com toda a sua família.

Dicas para fazer um planejamento familiar financeiro perfeito

Modalidades de guarda

A legislação prevê a guarda unilateral e a compartilhada. Sendo que a primeira, exceção atualmente, determina que a tomada de decisões acerca da criança seja feita exclusivamente por parte do genitor que detém a guarda. Já a guarda compartilhada, regra hoje em dia, é aplicada todas as vezes que ambos os pais estejam aptos ao exercício do poder familiar.

Diferencia-se ainda um terceiro tipo de guarda, não previsto em lei e também não recomendada. É a guarda alternada, que ocorre quando a criança alterna o seu local de moradia, uma semana na casa de cada genitor.

Regime de convivência

Enquanto a guarda diz respeito a prestação de assistência material, moral e educacional à criança ou adolescente, ou seja, é a tomada das decisões relevantes sobre a vida da criança, o regime de convivência trata do tempo que cada genitor vai passar com seu filho.

O regime de convivência, também chamado de visitação, precisa ser definido independente da modalidade de guarda que ficar definida. O direito à convivência familiar  entre pais e filhos também decorre do poder familiar e é uma forma de proteção aos filhos. Mesmo diante de um divórcio devem manter contato com ambos os genitores, buscando reduzir os efeitos negativos do término do relacionamento dos pais e garantir o seu crescimento saudável.

Traição no casamento gera dano moral?

Hoje mais conhecido como regime de convivência, muito tempo se referiu a ele apenas como regime de visitação ou visitas. Mas a convivência familiar abrange muito mais do que simples visitas, dizendo respeito a uma vida em comum, com contato frequente e não apenas em datas determinadas. As visitas são, acima de tudo, uma obrigação do pai que não detém o lar de referência. Também é uma obrigação manter comunicação ativa e constante com seu filho, que tem esse direito.

A regulamentação da guarda e da convivência são indispensáveis, na medida em que evita conflitos e garante o seu exercício por ambos os genitores. Em caso de descumprimento, seja impedindo as visitas ou deixando de realizá-las, há a possibilidade inclusive de imposição de multa, o que já não pode ocorrer quando o acordo é apenas entre as partes.

guarda
Posts Relacionados

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais