Por que o Misoprostol é utilizado para fins obstétricos?

Por que o Misoprostol é utilizado para fins obstétricos? Apesar de ser um dos medicamentos mais utilizados em casos de aborto e esse assunto ser bastante complexo, o misoprostol é um medicamento importante utilizado em casos delicados como os de aborto espontâneo, morte fetal precoce, entre outros, nos casos em que as mulheres precisam de curetagem; ou seja, utilizado para indução do parto.

Aqui no Amor e Maternidade, sempre falamos sobre temas importantes desde a primeira gestação ao desenvolvimento e educação de crianças, mas também é essencial tratar de temas delicados para esclarecer as dúvidas comuns sobre a atenção no uso de medicações sem prescrição médica durante a gestação, como é o caso do Misoprostol.

Leia também: Conheça os principais sintomas da pressão alta na gravidez

Misoprostol é permitido no Brasil?

Misoprostol
Misoprostol

Comprar Misoprostol sem receita médica não é permitido, essa é a primeira informação que deve ter em mente. Os efeitos colaterais dessa medicação são altamente perigosos.

O misoprostol é análogo sintético da prostaglandina E1, e foi reconhecido pela OMS, em 2005 (WHO, 2005), como fármaco essencial para a saúde reprodutiva, usado na obstetrícia para a antecipação de parto, o tratamento de hemorragia pós-parto e a dilatação do colo do útero nas intervenções ginecológicas.

No entanto, no país em que seu uso abortivo foi “descoberto”, o uso do medicamento foi restringido. Para receber o medicamento comprado pelo Ministério da Saúde, cada hospital público deve fazer um cadastro na secretaria de vigilância sanitária do seu estado.

Ainda assim, é avaliado todo o histórico do paciente e preparado diversas documentações para liberação do uso.

Misoprostol: Por que é uma medicação utilizada para fins obstétricos?

Misoprostol
Misoprostol

O misoprostol, embora originalmente introduzido como terapia para úlceras gástricas, agora é amplamente utilizado na saúde reprodutiva. Para algumas indicações, agora é a escolha ideal, enquanto para outras oferece uma alternativa importante, especialmente em ambientes com poucos recursos.

O uso da dose correta é importante, uma dose muito baixa será ineficaz e a superdosagem pode ser perigosa para a mãe e o bebê. Informações baseadas em evidências sobre os regimes mais seguros para indicações de gravidez múltipla são, portanto, fornecidas nesta revisão.

O misoprostol é uma forma sintética e estável do análogo da prostaglandina. Possui propriedades anti-secretoras e protetoras da mucosa e foi originalmente desenvolvido na década de 1970 para a prevenção de úlceras pépticas induzidas por anti-inflamatórios não esteróides (AINEs). Seu uso para essa indicação, no entanto, tornou-se limitado e agora é usado muito mais amplamente para indicações ‘off-label’ em obstetrícia e ginecologia.

Evitar a morte materna e hemorragia pós-parto

O misoprostol tem várias propriedades que o tornam especialmente adequado para reduzir a mortalidade materna em áreas de poucos recursos. Os comprimidos são termoestáveis ​​e têm uma longa vida útil à temperatura ambiente, enquanto em embalagens blister de alumínio.

Inicialmente, o misoprostol só estava disponível comercialmente como comprimido oral nas concentrações. No entanto, os comprimidos também são eficazes quando administrados por via vaginal, retal, bucal e sublingual.

Pouco mais caro que a ocitocina (com seringa e agulha) para o tratamento da hemorragia pós-parto (HPP). Embora a chegada de novos comprimidos de misoprostol genérico de baixa dosagem seja bem-vinda, o preço provavelmente será mais alto do que o do Cytotec ® , e os profissionais precisarão equilibrar o custo aumentado com os benefícios em segurança e logística de ter uma formulação de tamanho preciso.

Interrupção da gravidez no primeiro trimestre (aborto induzido)

Nas últimas duas décadas, o medicamento tornou-se uma alternativa segura para aspiração a vácuo e dilatação e curetagem. Recentemente, o regime de mifepristone/misoprostol tornou-se mais amplamente disponível e agora é considerado o padrão-ouro para interrupção precoce da gravidez, de acordo com as determinações legislatives nacionais e diretrizes da OMS.

Morte fetal precoce (aborto retido)

O tratamento tradicional para morte fetal precoce tem sido a curetagem por sucção. No entanto, vários estudos têm demonstrado que o tratamento médico é uma alternativa segura, eficaz e aceitável. Tanto o misoprostol 800 mcg oral quanto o vaginal são altamente eficazes e aceitáveis ​​para o tratamento da perda fetal precoce, mas o tempo médio de expulsão é menor no grupo vaginal.

Aborto incompleto (aborto)

Uma dose única de misoprostol oral demonstrou ser tão eficaz quanto a aspiração manual a vácuono para manejo do aborto incompleto com taxas de evacuação completa de 95 a 99% após 1 a 2 semanas de acompanhamento médico.

Interrupção da gravidez no segundo trimestre (TOP, aborto induzido)

A interrupção cirúrgica da gravidez precoce no segundo trimestre pode ser realizada por curetagem por sucção, enquanto a interrupção realizada no final do segundo trimestre requer dilatação cervical e extração fetal. Isso pode resultar em complicações graves, incluindo laceração cervical, perfuração uterina e lesões nos órgãos abdominais.

O medicamento é potencialmente mais seguro e fornece uma boa amostra histológica, o que é importante se a terminação for para malformações fetais.

Morte fetal intrauterina

Há uma grande variedade de regimes de misoprostol clinicamente eficazes para a indução do trabalho de parto após mortes fetais intrauterinas no segundo e terceiro trimestres (IUFDs). A quantidade necessária de misoprostol não só diminui com o aumento da idade gestacional, mas também é menor em mulheres onde o feto morreu no útero.

Entre as vias vaginal, sublingual e oral, o misoprostol sublingual tem o menor intervalo de indução à expulsão. A via vaginal é, portanto, recomendada para o tratamento do DIU. Como resultado do aumento da sensibilidade uterina à prostaglandina durante a gravidez, as doses recomendadas são variáveis ​​de acordo com a gestação.

Devido ao risco de ruptura uterina, recomenda-se que mulheres com cicatriz uterina recebam doses menores de misoprostol.

Indução do trabalho de parto com feto vivo

A dinoprostona vaginal é o método padrão-ouro atual para amadurecimento cervical e indução do parto, embora o misoprostol tenha sido usado como alternativa desde 1987. O misoprostol vaginal é mais eficaz que a ocitocina sozinha para indução, mas as taxas de hiperestimulação uterina e líquor corado com mecônio foram aumentadas em doses acima de 25 mcg.

Ainda não se sabe se este último é secundário à hiperestimulação uterina ou devido a um efeito direto do misoprostol no intestino fetal. Estudos recentes patrocinados por produtos farmacêuticos mostraram que os comprimidos vaginais.

Referências

1 – Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução Nº 911, de 24 de março de 2006. Diário Oficial da União. Poder Executivo, Brasília, DF, 27 mar. 2006. Seção 1, p. 32. Disponível em: http://www.cremesp.org.br/library/modulos/legislacao/versao_impressao.php?id=6380.

2 – Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Relação Nacional de Medicamentos Essenciais – Rename. 7ª ed. Brasília: MS, 2010.

Disponível em: https://antigo.saude.gov.br/images/pdf/2014/setembro/29/Rename-2010.pdf. Acesso em

3 – WHO – World Health Organization. Lista Modelo de la OMS. Medicamentos esenciales 14 ed., marzo de 2005. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/69102/a87410_spa.pdf?sequence=1.

4 – https://www.tuasaude.com/misoprostol-cytotec/

5 – https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolo_utilizacao_misoprostol_obstetricia.pdf

Posts Relacionados
Comente nossa postagem!

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais