Retinoblastoma: Doença que acomete filha de apresentador Tiago Leifert

Retinoblastoma
Retinoblastoma

Retinoblastoma: Conheça quais as causas, sintomas e tratamentos da Retinoblastomia, doença que acomete filha de apresentador Tiago Leifert.

Recentemente, os internautas ficaram surpresos com a notícia de que Thiago Leifert estaria se afastando do seu trabalho como apresentador na emissora rede Globo, porque sua filha de apenas 1 ano e três meses, Lua, havia sido diagnosticada com Retinoblastomia, um câncer raro que acomete crianças até 5 anos de idade.

Em entrevista recente junto com sua esposa, Daiana Garbin, para o programa de televisão ‘Fantástico’, o ex-apresentador do reality ‘BBB’, revelou a doença de sua filha, falando sobre o diagnóstico, seus sentimentos e a importância de os pais ficarem ainda mais atentos a possíveis sinais que aparecem no início da doença, a fim de ajudar a diagnosticar e iniciar o tratamento precocemente. 

Na entrevista que foi ao ar dia 29 de fevereiro, Tiago Leifert revelou que ‘não tinha a menor condição de continuar o trabalho’.

Confira a seguir o que é Retinoblastoma, quais as suas causas e tratamentos:

O que é Retinobastoma? Doença que acometeu filha de apresentador Tiago Leifert:

O Retinoblastoma é um câncer ocular raro que afeta principalmente crianças pequenas até os 5 anos de idade, embora também apareça ocasionalmente em adultos. A doença pode ser identificada logo nos primeiros meses de vida. Como é o caso do menino Lucas, hoje com 6 anos de idade, que foi diagnosticado aos 4 meses de vida, de acordo com entrevista do G1.

É um tumor maligno que danifica o tecido nervoso da retina, que é responsável por detectar a luz de fora e enviar a informação ao cérebro para que ele possa interpretá-la como imagens, o que pode causar perda de visão.

Existem vários tipos de Retinoblastoma, bem como procedimentos para tratá-lo, mas a verdade é que mais de 90% das pessoas afetadas por esse tumor o superam. Para esse tipo de câncer não há cura, mas o acompanhamento e tratamento contínuo contribuem para que o paciente leve uma vida tranquila.

Quais as causas e sintomas do Retinoblastoma?

Este tipo de câncer pode ocorrer em um ou ambos os olhos, e é comum que o paciente seja diagnosticado por volta dos 18 meses de idade (1 ano e 6 meses), embora se for um Retinoblastoma unilateral pode não ocorrer até os 2 anos de idade. No entanto, também é possível que se desenvolva durante a fase de gestação do feto e seja diagnosticado logo nos primeiros meses de vida.

O Retinoblastoma ocorre quando ocorrem mutações genéticas nas células nervosas da retina. Essas mutações fazem com que as células continuem se multiplicando e não morram (o que acontece com células saudáveis), de modo que o acúmulo de células forma um tumor. Além disso, se ocorrer metástase, ela pode se espalhar para outras partes do corpo, como a coluna e o cérebro.

As causas das mutações genéticas que levam ao aparecimento deste tipo de câncer não são claras. No entanto, existe um componente hereditário: os filhos de pessoas com Retinoblastoma têm 50% de chance de contraí-lo.

Os sintomas mais comuns deste tumor são:

  • Leucocoria (a pupila fica branca ou tem manchas brancas).
  • Estrabismo ou desvio de um dos olhos.
  • Visão dupla.
  • Perda de visão.
  • Vermelhidão na pupila.
  • Dor nos olhos.
  • Íris de cores diferentes.
  • Aumento da pupila do olho afetado.
  • Dor óssea se houver disseminação de Retinoblastoma.

Que tipos de Retinoblastoma existem?

Quando se trata de classificar esse tipo de câncer, existem várias maneiras de fazê-lo:

Dependendo da sua localização

  • Intraocular: encontrado apenas dentro do olho.
  • Extraocular: se espalhou para órgãos e tecidos próximos.
  • Bilateral: afeta ambos os olhos.
  • Unilateral: afeta apenas um dos olhos.

Dependendo do seu estágio:

  • Estágio I: encontrado apenas na retina.
  • Estágio II: está espalhado por todo o globo ocular.
  • Estágio III: atingiu os tecidos próximos ao olho.
  • Estágio IV: se espalhou para outras áreas do corpo, como o cérebro ou os gânglios linfáticos. 
  • Estágio V: É improvável que o olho afetado possa ser salvo.

Qual é o tratamento Retinoblastomia?

Retinoblastoma
Retinoblastoma

A escolha do tratamento será determinada por vários fatores (idade do paciente, unilateral ou bilateral, qual parte do olho é afetada, etc.). No entanto, as opções que existem para tratar o Retinoblastoma são:

Enucleação: trata-se de extrair o globo ocular, por isso é aplicado em pacientes que possuem apenas um dos olhos acometidos e o tumor ocupa mais da metade do olho e já se espalhou para outras estruturas. Este tratamento também é escolhido quando ocorre o descolamento de retina e o crescimento de novos vasos na íris.

Termoterapia transpupilar: Este tratamento usa energia laser e luz infravermelha para aplicar calor às células afetadas e vasos sanguíneos próximos para destruir o tecido danificado.

Fotocoagulação: é uma cirurgia ocular que tenta destruir estruturas anormais na retina e é aplicada em tumores com menos de 3 mm de diâmetro e 2 mm de espessura e que não afetaram o disco óptico.

Crioterapia: também para tumores pequenos (menos de 3 mm de diâmetro e 2 mm de espessura) e que utiliza o frio para tentar eliminá-los.

Radioterapia local: quando o tamanho do Retinoblastoma é maior que 16 mm, utiliza-se este tratamento, com o qual a radioterapia é aplicada localmente no olho.

Radioterapia externa: este tratamento, também para tumores maiores que 16 mm, é aplicado quando o retinoblastoma acomete ambos os olhos e a radioterapia local não pode ser escolhida.

Como mencionado anteriormente, mais de 90% dos pacientes superam esse tumor. No entanto, um diagnóstico precoce é fundamental para isso, por isso é importante acompanhar com cuidado o desenvolvimento da criança. Da mesma forma, ir ao oftalmologista assim que algum dos sintomas mencionados aparecerem pode evitar problemas mais graves.

Os exames precoces são essenciais para iniciar imediatamente o tratamento antes que o Retinoblastoma cause graves consequências. Além disso, com o diagnóstico, o médico poderá indicar o tratamento adequado.

Lembrando que, Retinoblastomia não tem cura, mas é possível ter uma qualidade de vida satisfatória ao realizar os acompanhamentos e tratamentos necessários de forma contínua ao longo da vida.

Fonte:

https://g1.globo.com/ce/ceara/noticia/2022/01/29/cearense-cujo-filho-teve-retinoblastoma-mesmo-cancer-da-filha-de-tiago-leifert-relata-sobre-a-luta-contra-a-doenca.ghtml

https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-infantojuvenil

http://www.sissaude.com.br/sis/inicial.php?case=2&idnot=4805

Posts Relacionados
Comente nossa postagem!

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais